Poesia erótica

03
Jun 10

 

De cabeça erguida

Só falo

Ereto

Com ela

 

Que, de joelhos

Ora

Um terço

De mim

 

 

 

publicado por Contos do Fritz às 02:34

30
Abr 10

 

Com toques íntimos e

Beijos em lugares

Hediondos

Enganamos os anjos

Mudamos os valores

E estupramos a Moral

 

No tribunal dos puros

Pela (in)justiça dos olhares

Fomos condenados

A prisão

Perpétua

 

Algemados

Pagaremos à pena

Trancafiados

Gozando

Nosso mundo

 

publicado por Contos do Fritz às 11:01

28
Abr 10

 

Puxo pela crina

A égua relincha tremula

 

Em seu lombo

Dito o ritmo

Frenético libido

 

Pelas horas cavalgamos...

 

Assim ela

Faz

Eu cavaleiro

 

publicado por Contos do Fritz às 11:59

24
Abr 10

 

Minha boca

Pede

Pelo

Sweet Martini

Que há

Entre elas

 

Abra as

Pernas

Apenas

 

E sem penas

Entre panos

Profanos

Vamos pecar

 

 

publicado por Contos do Fritz às 04:05

22
Abr 10

 

Com o prazer

Morto

Velado choramos

Abraçados

Pelo leite

Derramado

publicado por Contos do Fritz às 00:36

18
Abr 10

 

Eu, plebeu pagão

Fiz ceia farta

No seio farto

E profano

Da virgem

 

Nesse anjo a

Auréola

É rosada

Dura e

Macia

 

Na minha língua

Sobra o sal

Do suor

Da santa

 

Sinto-me

Protegido

No colo

Do útero

Divino

 

publicado por Contos do Fritz às 02:09

 

Maçã mordida

Pelo desejo

De Branca

 

Minha neve espirra

Branca

Sobre a pele

Branca

De Branca

Agora, de neve

 

Nosso pecado

Alvo

Se completa

Nas maçãs de Branca

Cheias de minha neve

Quente

 

publicado por Contos do Fritz às 00:32

16
Abr 10

 

Tadinho do pintinho

Vinha ciscando o chãozinho

Arrastando os pezinhos

Bicando as migalhinhas

 

Distraído, caiu num buraquinho

Escuro e apertadinho

 

Botava a cabeça para fora

Escorregava para o fundo

 

Botava a cabeça para fora

Escorregava denovo

 

Botava a cabeça para fora

Escorregava...

 

Assim, ficou suado

O que o favoreceu

Pois o barro amoleceu

Ele saiu (todo melado)

 

Cansado

Caiu de lado

Descansou deitado

 

Depois, renovado

Pensou “foi bom esse buraco

Me deixou forte, animado!”

 

E ele agradece o que aconteceu

Porque depois dessa experiência

Com imponência

O pinto cresceu!

 

publicado por Contos do Fritz às 13:47

08
Abr 10

 

Ata-me

E toma-me

Até me

Ter

Todo

E tudo

 

publicado por Contos do Fritz às 03:18

04
Abr 10

 

Eu nu

Ela nua

Bêbados de tesão

 

Nos vestimos

Com os corpos

Um do outro

publicado por Contos do Fritz às 18:00

02
Abr 10

Na sexta da paixão

Lembro de quantas sextas

Apaixonadas passei

 

Quantas sextas

De paixão falsa

Me trai por tão pouco

E passei ao lado de outro cristo

 

Quantas sextas só

Dormi crucificado na cama

Esperando o escuro do sábado

Para tentar uma mísera aleluia

 

Eu, Judas malhado no poste

Pela multidão arquetípica

Com trinta moedas faço aleluia

Pão, vinho e putas (santa ceia no seio profano)

 

Sou só mais um

Santo do pau oco (e duro)

Tentando uma paixão

De quinta, na sexta

publicado por Contos do Fritz às 14:15

26
Mar 10

 

Entre...

Agarre firme

Chacoalhe, chacoalhe, chacoalhe

Roçando

Corpo com corpo

Parte com parte

 

Aperta...

Corre o suor...

Nosso cheiro sobe

Enquanto somos olhados pela janela

 

Assim é

Nossa viagem

 

Sônia Braga - A Dama do Lotação - 1978

 

publicado por Contos do Fritz às 11:30

19
Fev 10

Criança atrevida
Brinca com a minha boca
Que ri vermelha
Sussurra


Sobe pelas minhas paredes
Toca-me lá
Certeiro
Alvo alvo e róseo


No sobe e desce
Do nosso carrossel
A música do corpo
Tinge os olhos de brilho


Gira, gira sem parar
Até o fim do nosso infinito


O grito sai
No íngreme
De nossa montanha russa


O coração bate alegre
Como a banda do circo


Sob a lona
O picadeiro é só nosso

 

publicado por Contos do Fritz às 23:57

16
Fev 10

Ajoelhe-se e me amarre
Lace o laço lasso, firme
Nós
Borboletas monocromáticas


Me arraste
Com a língua de fora
Me deforme
Pise-me, pise-me, pise-me
Me use até o fim


Submisso sou
Podolatra obsessivo
Protejo-te
Abraço-te
Por onde for eu vou


Para sempre
De sola nessa paixão
Me agarro aos seus pés
Justo

 

publicado por Contos do Fritz às 00:40

30
Jan 10

Saliva noturna
Oportuna
Tropeira lã negra
Alaga a galope
Só lido sólido
Égua brava, acalma a tapa
Crina crua crema o creme
Mata-me agora, por favor...

 

publicado por Contos do Fritz às 23:26

19
Dez 09

O corpo discente não achando decente
Para o ambiente o vestido ardente
Da adolescente atraente
Agiu bruscamente e brutalmente
Deixando a situação inconveniente
Incontrolável, caos aparente.
Antes que alguém a violente
Solicitaram a polícia: “por favor se apresente”
A diligência chegou rapidamente
Levando-a dali velozmente
“vamos sair, antes que alguém lhe arrebente.”


O corpo docente analisando o incidente
Achou melhor ser condescendente
Com a massa acrania e valente
Expulsando a menina apressadamente
Dizendo: “se vestes vulgarmente,
A culpa agora, você que agüente”


A Sra. imprensa, que não discute candidamente
E trata um assunto importante vãmente
Também tem culpa no ocorrente
Difundindo a notícia inadequadamente.


Nós da Universidade, apesar do antecedente
Somos um exemplo, falando moralmente
De instituição, e orgulhosamente
Tomamos a decisão, cuidadosamente
De expulsa-la, por se trajar visivelmente
Fora dos padrões, e estamos crentes
Que foi justa e tomada sabiamente
Porque buscamos um ensino, religiosamente
Correto, e agimos disciplinadamente
E temos que ser sempre complacentes
Pois quem tem que educar tanta gente
Sabe que a razão sempre será do cliente.

 

 

 

A única coisa que não tem fronteiras é a hipocrisia.

 

publicado por Contos do Fritz às 21:10

Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Follow DoctorFritz on Twitter
clique e ouça as poesias

pesquise
 
leia os blogs

compre os livros